Prevenção de Quedas

 

 

As quedas representam a principal causa de fraturas em pacientes acima de 60 anos de idade. Estima-se que até 40% dos idosos apresentam algum episódio de queda em um ano. Entre esses pacientes que sofrem queda, cerca de 50% geralmente apresentam algum tipo de lesão.


Dessa forma, a prevenção de queda torna-se fundamental para a manutenção da qualidade de vida e capacidade funcional na população idosa.

 

FATORES DE RISCO PARA QUEDA


Os principais fatores de risco para quedas são:


Fatores externos: tapetes, piso irregular, ambiente mal iluminado, piso escorregadio, calçados inadequados, escadas sem corrimão
Uso de medicamentos que podem causar tontura, sonolência, fraqueza muscular e mal-estar. Exemplo: anti-hipertensivos, hipoglicemiantes, opióides, anticonvulsivantes, antidepressivos, ansiolíticos
Doenças neurológicas: acidente vascular cerebral, síndromes compressivas na coluna vertebral
Queda da pressão arterial. Principalmente quando o paciente está deitado e se levanta rapidamente
Distúrbios nutricionais: deficiência de vitamina D e cálcio
 
1)  Quais as causas mais comuns de quedas dentro de casa?


As principais causas de quedas dentro de casa são: tapetes soltos, tapetes escorregadios nos banheiros, uso irregular de calçados (chinelos mal calçados), ambiente mal iluminado, escadas sem corrimão e trombar ou tropeçar em objetos.
 
2)  Quais os principais motivos dos quedas na rua?


 A principal causa de quedas na rua é, sem dúvida, a irregularidade do piso, com calçadas mal conservadas e ruas com buracos. Outras causas incluem atropelamento, alteração visual, doenças neurológicas e cardiovasculares.

3)  Quais os problemas envolvendo quedas na terceira idade?


O grande problema é que até 50% dos idosos que sofrem algum tipo de queda apresentam alguma lesão que necessita de tratamento. Estima-se que em até 20% das quedas ocorra algum tipo de fratura. A fratura mais comum no idoso é a fratura de fêmur e do punho.
 
4)  Há alguma pesquisa que mostre o impacto desse tipo de problema na população em geral?


Alguns estudos estudos mostram que "queda" é considerada a causa mais comum de morte na população idosa. A consequência de uma fratura no idoso inclue distúrbios musculoesqueléticos e problemas relacionados ao imobilismo como pneumonia, trombose, embolia pulmonar e atrofia da musculatura.

Medo de voltar a cair, ou "síndrome pós-queda" é comumente relatado pelos idosos e podem trazer importantes prejuízos emocionais, psicológicos e sociais, tais como: perda de autonomia e independência para atividades da vida diária, redução de atividades sociais, sensação de fragilidade e insegurança.
 
5)  Quais os tratamentos indicados após uma queda?


A primeira atitude a ser tomada diante de uma queda é chamar ajuda! Qualquer pessoa pode acionar um serviço de emergência caso necessite. Se o indivíduo estiver sentindo algum tipo de dor ou mal-estar deve aguardar ajuda especializada, não devendo movimentar a coluna vertebral ou tentar ficar em pé.
 
6)  O que a pessoa deve fazer dentro de casa para evitar esse tipo de problema?


A prevenção de quedas é fundamental! Deve-se retirar tapetes e objetos que podem causar tropeços ou traumas. Corrimões devem ser instalados nos cômodos e escadas das casas dos idosos. Acompanhamento médico regular pode evitar uma queda por uso inadequado de medicação ou descompensação de alguma doença previamente conhecida como hipertensão e diabetes.
 
7) Existe algum mito a respeito dos problemas relacionados a escorregões?


Um dos mitos é dizer que idosos sem osteoporose nunca sofrerão fraturas após queda. Sabe-se que a osteoporose é um dos fatores de risco para fraturas, mas um grande número de idosos sem osteoporose, ou apenas com osteopenia, sofrem fraturas por quedas.

 

JOÃO BERGAMASCHI